quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

A razão deste abandono

O blogue parece abandonado, eu sei.
Eu e a Caetana entrámos para a creche, ela para o berçário e eu para a sala de aquisição à marcha.
Tudo isto implicou adaptações. A Caetana teve de se adaptar ao novo espaço, colegas e adultos e eu às 'minhas' crianças, porque já conhecia o espaço.
Novos hábitos, novos horários, novas rotinas..
Entretanto introduzimos uma papa à noite - porque beber o leite dá pouco prazer à Caetana - o que implicou uma outra adaptação.
Até agora tudo tem corrido bem, ela gosta mais da papa do que do leite. Não deito foguetes porque a vida é para se viver um dia de cada vez.
Graças a Deus tem estado tudo a correr bem, mas isso não significa que será sempre assim..
A entrada para a creche foi o melhor que nos podia ter acontecido, principalmente a mim!
Não ando tão aflita com tudo, ando mais descomplicar a e isso só nos faz bem a ambas.
Só custa sair já de noite mas faz parte deste horário de inverno. Quando os dias forem maiores já será diferente.

Entretanto podem acompanhar mais sobre nós no instagram, onde temos estado mais presentes.

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

4 meses de Caetana - anotar para recordar

Como assim já passaram 4 meses?
  • Continuas uma bebé calminha;
  • És muito simpática, dás sorrisos a toda a gente;
  • Começaste oficialmente a creche. Não estranhas ninguém, o que é ótimo!
  • Cada vez interages mais conosco, já palras imenso;
  • Gostas cada vez mais do Óscar, ris-te mesmo muito com ele;
  • Adoras as Jarmies [e não só], uns desenhos animados de estrelas do JimJam.


domingo, 12 de novembro de 2017

De que precisa um bebé?

Esta questão é bastante relativa. Se há quem considere que um bebé precisa de pouco, há outros que acham que falta sempre alguma coisa.
Eu comprei o que achei necessário antes do nascimento da Caetana, para ter tudo preparado quando chegasse com ela. Afinal, fiz compras desnecessárias mas não tinha tudo o que precisava.

Na minha opinião, os artigos essenciais são:

  • Muda fraldas - comprei no IKEA e a minha sogra forrou;
                                       Expectativa - antes do nascimento              Realidade - depois do nascimento

  • Almofada de amamentação - deu jeito para dormir durante a gravidez e dá muito jeito agora. Uso para dar o leite à Caetana, para a encostar e serve de suporte à volta do ninho redutor;

  • Ninho redutor - a sua principal função é reduzir o espaço do bebé na cama de grades, para que se sinta mais acolhido. Quando o bebé cresce, abre-se em baixo e continua a proteger de lado e por cima da cabeça. Eu utilizo-o como se fosse a alcofa-da-sala, onde a Caetana dorme as suas sestas aconchegadinha no sofá;


  • Ninho saco-cama - O Saco-cama mais quente e versátil que nos ofereceram [e que já estava na minha Wish List]. Aquece imenso o bebé e tem os furos certos para ser colocado no ovo. É perfeito para deitar o bebé de noite, seja na sua alcofa/ berço ou na cama dos pais;

  • Carrinho duo/ trio - Escolhemos um duo que se transforma em trio e não estamos nada arrependidos [até o Óscar aprovou a escolha :P]. Temos o ovo e, neste momento, a alcofa. Quando a Caetana deixar de caber na alcofa transformá-la-emos na cadeira do carrinho. O ovo é extremamente útil no carro e a alcofa dá imenso jeito quando estamos muito tempo no mesmo sítio, principalmente se fizermos refeições fora. Para o transporte diário a pé, a Caetana anda mais na mochila ergonómica;

  • Espreguiçadeira - O ideal para a bebé estar 'sentada' ao pé de nós enquanto comemos, lavamos a loiça, estendemos roupa...


  • Banheira - Optámos pela Shantalla, que nos foi emprestada. Como tínhamos medo de não ter agilidade para a utilizar nos primeiros banhos, comprámos também outra, no IKEA. De facto, usámos a outra durante quase 2 meses;

  • Espelho - Os bebés adoram ver-se no espelho, mesmo não sabendo que aquela é a sua imagem.

  • Almofada redonda com abertura no meio - para manter a cabecinha dó bebé direita durante o sono. Nós temos mas a Caetana não costuma dormir nela. Não foi logo habituada então causa-lhe algum desconforto [nesta idade, a Caetana deveria dormir com a almofada redonda];

  • Espelho retrovisor para o carro - Para mim, a melhor invenção de todos os tempos! Este espelhinho serve para vermos o bebé através do nosso retrovisor. Perfeito para quem viaja sozinho com o bebé;

  • Trocador - Um dos essenciais que comprámos depois de trazer a Caetana para casa, quando percebemos que não tínhamos onde a vestir no WC, e não queríamos tirá-la de lá despida para não correr riscos. Fomos procurar ao site da Bebitus e, o mais giro [dos que tinham rodas] era este, com banheira incorporada. Ainda tentámos dar lá banho à bebé mas não dava. Precisávamos de estar sempre os dois: um para dar banho e outro para ajudar a fechar para vestir a bebé. Então desistimos da banheira e usamos só a função de trocador [que levamos para o WC só no momento do banho];
  • Máquina para aquecer água para biberões - Dispensável mas não imaginam o jeito que dá, quando os bebés não mamam claro. Tem as medidas da água dos biberões, desde os 120ml aos 330ml. Inserimos água da torneira que sai filtrada e a 37º. Esta foi outra das compras feitas depois do nascimento;

  • Alcofa/ berço - Porquê em último da lista? Porque raramente foi usada. Escolhemos uma alcofa de verga com o objetivo de colocar a Caetana a dormir de noite e fazer sestas durante o dia, levando-a para sala, cozinha.. Isso aconteceu durante as primeiras [2 ou 3?] semanas. Quando a Caetana era muito pequenina chegou a ficar na alcofa enquanto eu tomava banho. Depois passou a ficar na espreguiçadeira.
  • Comprámos também a cama de grades para quando a Caetana for mais velha, por enquanto só dorme lá algumas sestas diárias. De noite dorme conosco desde muito cedo [praticamente desde sempre].

Faz-nos falta uma cómoda para ter a roupa da bebé mais organizada. Claro que temos um roupeiro no quarto dela mas falta-nos mais organização. Ainda não encontrámos uma que realmente nos agrade, na verdade ainda pouco procurámos.
Penso que estes são os essenciais para receber um bebé.

E aí desse lado, o que consideram essencial para um bebé?

domingo, 5 de novembro de 2017

3 meses de Caetana - anotar para recordar

Querida Caetana Maria, de repente já fazes 3 meses.
Falemos então sobre o teu terceiro mês neste mundo:
  • Continuas, cada vez mais, a cara chapada do pai e fazes muitas vezes aquele sorriso de lado tal e qual como ele;
  • Estás mais calma. Só ficas nervosa quando tens fome;
  • Continuas a dormir a noite toda. Às vezes preocupas-nos por estares tanto tempo a dormir [por não comeres];
  • Claro que continuas a dormir conosco;
  • Durante o dia tens dormido pouco [de menos, acho eu]. Ultimamente nem na manduca dormes muito;
  • Continuas a gostar de estar conosco à mesa mas já ficas ali ao lado, na espreguiçadeira. Se nos estiveres a ver, já vamos conseguindo comer ser precisar de te ter ao colo;
  • Com as tetinas novas bebes muito melhor o leite;
  • Raramente queres a chupeta, quando a queres é só para adormecer. Mesmo assim, já fizeste uma sesta pequenina em que não a deixaste cair, acho que não chegaste a dormir profundamente;
  • Participaste num evento de ciclismo, a servir de polícia sinaleira [no marsúpio];
  • Foste a morceguinha mais linda no teu primeiro halloween;
  • Já foste conhecer a creche e jardim de infância onde vais andar. Estiveste lá com os meninos e não estranhaste nada.. Até dormiste uma sesta na sala dos 4 anos, na manduca, enquanto eles brincavam;

Como o melhor fica sempre para o fim, deste as tuas primeiras gargalhadas sonoras no primeiro dia de novembro, 4 dias antes de fazeres 3 meses.






sábado, 7 de outubro de 2017

Colo e co-sleeping?

Há quem diga que os estraga. Como assim? Desmontamos algum órgão do bebé se o tivermos no nosso colo ou na nossa cama?
Confesso que detesto ver a minha filha de colo em colo quando recebemos visitas. A minha filha é um bebé, não um boneco como a maioria das pessoas parece vê-la [sim, família incluída].
Adoro tê-la no meu colo e vê-la no colo do pai!
O colo da mãe, pai ou cuidadores mais próximos [sei que, infelizmente, nem todos os pais querem saber dos filhos e nem sempre as coisas correm como desejamos] faz com que os bebés se tornem crianças e adultos seguros de si!
Eles não vão querer o nosso colo para sempre!
E co-sleeping? [partilhar cama com os pais].
Vou dar sempre colo e cama à minha filha. Sempre que ela precisar. Sempre que ela quiser.
Se durmo bem? Raramente, a Caetana mexe-se cada vez mais e eu tenho medo de a magoar. Chego a acordar com a sensação de ter sido atropelada por um comboio. Mas a minha filha dorme bem e isso é que interessa! Ela não pediu para vir ao mundo, fui eu e o pai que quisemos trazê-la. Cabe-nos a nós proporcionar-lhe o melhor tanto de dia como de noite.
Se vejo que adormece melhor ao colo pego-lhe.
Se percebo que dorme melhor conosco é na nossa cama que a deito.


De dia as suas melhores sestas são no marsúpio ou no pano, encostadinha ao meu peito, ao som do meu coração. E assim pretendo que continue. Foi assim que viveu durante 9 meses. Aconchegada, junto a mim e ao som do meu coração.
Está provado que deveria haver um quarto trimestre de gravidez. Não sendo fisicamente possível, cabe aos pais tentarem ser o 'útero' dos filhos, principalmente nos seus 3 primeiros meses de vida: transportá-lo ao colo sempre que possível e não falhar com alimento e bem estar físico. Tal e qual como acontecia no útero!

A minha filha tem 2 meses e ainda nunca a deixei com ninguém, a não ser com o pai [tão importante como a mãe] para ir passear o cão ou ao supermercado. Por enquanto a minha filha vai para onde eu vou!
Se vejo que não devo levar a minha filha, eu própria não vou!
Só a mãe e o pai lhe dão biberão.
Só a mãe e o pai lhe pegam quando chora.
Se chorar no colo de outra pessoa sou a primeira a tirá-la de lá [sim, nem no colo da minha mãe a deixo ficar a chorar]. Não que as pessoas não saibam cuidar dela, mas, por enquanto, a minha filha conhece apenas a mãe e o pai!
Nós adultos, não vamos chorar para junto de desconhecidos pois não? Então porque razão deixaria a minha filha a chorar no colo de quem ainda não conhece? Porque a minha mãe é avó? Isso nada justifica. Um bebé não nasce a saber isso. Nasce a conhecer as vozes que ouvia diariamente no ventre materno, no caso da Caetana são as vozes da mãe, do pai e o ladrar do Óscar!
Há quem considere estas teorias exageradas. O pai não é tanto assim mas deixa que eu seja.
E se o pai não se importa e não se opõe, ninguém tem de o fazer.
Porque a filha é nossa e de mais ninguém!


quinta-feira, 5 de outubro de 2017

2 meses de Caetana - anotar para recordar

Querida Caetana Maria, não percebo como o tempo continua a passar tão depressa.
Estás mais crescida, mais sorridente, muito mais mexida e interages muito mais. 
Falemos então sobre o teu segundo mês neste mundo:
  • Continuas, cada vez mais, a cara chapada do pai;
  • És curiosa mas já não és tão nervosa;
  • Já voltaste a dormir mais tempo. Fazes a tua birrinha de sono ao serão mas depois adormeces e sossegas [veremos até quando].
  • Continuas a dormir conosco e já te mexes muito durante a noite;
  • Durante o dia, as tuas melhores e mais compridas sestas, são no pano, sling ou marsúpio. No ninho dormes bem, mas pouco de cada vez;
  • Não mamas mesmo. Não querias, ficavas nervosa e o leite acabou por secar;
  • A utilização das fraldas reutilizáveis tem estado a correr bem, esperemos continuar assim;
  • Continuas a gostar de estar conosco à mesa mas já nos deixas comer sem ti de vez em quando;
  • Assustaste com o Óscar e ele ladra imenso para te proteger;
  • Não chuchavas na chupeta mas demoravas mais de 1h a beber o leite - chuchavas no biberão! Comprámos algumas chupetas, gostaste de umas que são muito parecidas com o biberão;
Agora que fazes 2 meses vamos apresentar-te ao Óscar em condições. Vamos deixar que ele se chegue mesmo a ti e que lhe mexas.


quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Os bebés têm cólicas?

Harvey Karp é professor na Universidade de Medicina da Califórnia do Sul e especialista em desenvolvimento infantil. É também o pediatra mais reputado dos EUA graças a livros que ensinam técnicas para reduzir o choro, aumentar horas de sono e interromper birras dos bebés defende que:
Regra geral, atribuímos às cóli­cas todas as dores, ansiedade e mal-estar dos bebés: se têm a fralda limpa, a barriga cheia e continuam a berrar, culpamos as cólicas. Durante décadas, médicos e avós aconselharam as novas mães a ter cuida­do com o que comiam, mas o facto é que não há diferença na quantidade de gases que bebés calmos e agitados têm no auge do choro. E esse choro típico começa às duas semanas e termina aos três ou quatro meses de vida, melhora quando os bebés são embrulhados e embalados, além de que em muitas culturas – a balinesa é uma delas – os bebés nunca têm cólicas.
Após a leitura completa desta entrevista, que podem ler aqui, pus em prática o 'embrulhar' a Caetana. Já o fazia antes mas não para a acalmar. Fazia-o para que dormisse melhor, por exemplo.
Passei a fazê-lo quando está nervosa e a verdade é que a acalma imenso. Assim:


Depois foquei-me na questão de haver culturas em que não existe sequer tradução para a palavra cólicas e pensei que, se não há tradução noutras culturas, talvez na nossa empregássemos mal a palavra e, provavelmente, o problema dos nossos bebés seria outro e o que a Caetana tinha não eram cólicas.
E a verdade é que deixou de ter [ou nunca teve]!
Dá puns, claro que dá e nem sempre com facilidade mas já não chora desalmadamente como antes.
Passei a perceber que interpretava mal o choro da minha filha associando 'sempre' a cólicas, desde que tivesse a barriguinha cheia e a fralda mudada, quando podiam ser birras de rabugice e/ou sono. Desde aí deixei de notar que tivesse cólicas.
Se o mal dela fossem cólicas, não passariam com um rolinho-de-amor [nome com que batizei a imagem acima].
Fiz uma pesquisa rápida sobre o assunto e encontrei várias vezes a seguinte frase:
Cólica é um termo geralmente usado para descrever o choro incontrolável em bebés saudáveis.
No meu caso, achando que a Caetana tinha muitas cólicas, comprámos um leite Anticólicas. Passou a ter prisão de ventre - o cocó passou a ser mais duro, saía um só como o nosso e, na maioria das vezes, tínhamos de a ajudar a fazer. E chorava na mesma! Entretanto este leite era também mais espesso e custava-lhe mais a beber.
Voltámos ao leite inicial e, com ele, voltaram as 'cólicas' [pensávamos nós], até eu ler sobre o assunto e começar a perceber que o problema dela não tem esse nome.
A Caetana fica rabugenta todas as noites, faz sempre birra antes de dormir.
Esta birra está relacionada com os estímulos que recebe durante o dia e com o seu estado de cansaço. Já houve dias com imensos estímulos em que o cansaço era tanto que [quase] não houve birra, bem como outros com poucos estímulos e birras gigantes por estar pouco cansada.
Sim, também já li e percebi que acontece mesmo, que quanto mais sono os bebés têm mais rabugentos ficam por 'lutarem' contra o sono. O corpo pede para dormir mas a cabeça, curiosa, não quer e depois ficam rabugentos, nesta luta entre a necessidade de dormir e a vontade de ficar acordados.


Afinal os bebés têm cólicas ou nós pais é que associamos todas as dores deles a esse nome?

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Exercícios para o pescoço da Caetana

Com alguns dias de vida notámos que a Caetana tinha um ligeiro altinho no pescoço que ora se notava, ora passava despercebido. A bebé mostrava-se incomodada mas não impedia que lhe virássemos o pescoço para ambos os lados e, graças a Deus, sempre se mexeu toda. Ficámos na dúvida se seria algum problema ou apenas olhos-de-pais-galinha.
Nas consultas do primeiro mês, tanto o médico de família como a pediatra viram e ambos disseram que sim, havia ali qualquer coisa no esternocleidomastoideo [músculo do pescoço], nada de grave. É um problema até bastante comum, relacionado com a posição intra uterina ou algum jeito dado ao nascer.

O médico de família mandou mostrar à pediatra [sem urgência nem necessidade de antecipar a consulta já marcada para a semana seguinte] que nos mandou a uma consulta de fisiatria para avaliar a necessidade de fazer ou não fisioterapia. Mandou também ir contrariando o pescoço de vez em quando, porque a Caetana sempre demonstrou bastante preferência pelo lado esquerdo.
Dia 18 fomos à fisiatria, a Caetana foi avaliada e está bastante melhor [graças a Deus]. A indicação foi reforçada: contrariar MUITO o pescoço, sempre que possível! Fazendo isso em casa não precisará de fisioterapia.
Indicou também que dormindo sempre para o mesmo lado, os bebés podem acabar por desenvolver mal formações na cabeça.

esternocleidomastoideo
Já se nota pouco, graças a Deus, mas reparem no altinho, na parte do pescoço que está visível na foto.

A fisiatra chamou a atenção para os momentos de:
  • mudança de fralda;
  • dar o leite;
  • pegar na bebé ao colo;
  • sesta;
  • andar no ovo;
  • brincadeira.
Mudança de fralda:
Deitar a bebé e tentar que vire a cabeça para o lado direito;
No fim, aproveitar o muda fraldas para colocar a bebé de barriga para baixo [com a cabeça para o lado direito] e esperar que exercite o pescoço. A bebé levanta e faz de tudo para virar a cabeça para o outro lado, porque não está confortável com o lado em que a colocamos. Colocar também [por ordem da fisiatra] um rolinho - manta ou fralda de pano - por baixo dos braços para ajudar.

esternocleidomastoideo
Momento de ginástica após mudança de fralda

Dar o leite:
Tentar que a bebé incline a cabeça para o lado direito.

esternocleidomastoideo
A foto é anterior à consulta. Este teria sido um bom momento para contrariar o pescoço, movendo
o biberão de modo a que a bebé virasse a cabeça para o lado direito.

Pegar na bebé ao colo:
Quando encostamos a bebé a nós, tentar sempre que encoste o lado direito.

esternocleidomastoideo
A adormecer para o lado direito

Sesta:
Tentar colocar uma fralda de pano, boneco, dou dou, qualquer coisa que faça com que a bebé durma a sesta virada para o lado direito.

esternocleidomastoideo
Quando acordou da sesta.
O dou dou ajudou no encosto e eu estava deste lado a falar para ela

No ovo:

Entortar ligeiramente o redutor para a bebé se encostar para o lado direito.

esternocleidomastoideo

Brincadeira:
O momento mais fácil para 'insistir' com o lado pretendido. Chamar a bebé, fazer barulho, mostrar luzes.. Tudo do lado direito.
No fundo toda as imagens acima refletem momentos de brincadeira exceto aquelas em que a bebé está a dormir claro.

Óbvio que nem sempre nem nunca! Temos de ir contrariando várias vezes ao dia porque, sem a nossa 'ajuda', a Caetana dá sempre preferência ao lado esquerdo. O nosso objetivo é que se vire, por iniciativa própria, para ambos os lados.
A fisiatra mandou insistir, mesmo que chore um pouquinho. No entanto, também haverá momentos em que a bebé não quer mesmo [um deles aconteceu no próprio consultório] e aí paramos e voltaremos a tentar mais tarde. O objetivo é 'estimular' o lado direito, ajudar a bebé a virar-se para esse lado, mas não obrigá-la! Queremos que faça um esforço mas não pretendemos que faça nenhum sacrifício.


Atenção: Tudo o que escrevi e mostrei refere-se ao caso específico da Caetana. Se aparecer algo do género aos vossos bebés não hesitem em consultar o pediatra!


domingo, 17 de setembro de 2017

Pai galinha #1

Caetana rabugenta. Fralda limpa, parecia ter fome mas cuspia o leite e o próprio biberão. Tapámo-la e destapámo-la para descartar que estivesse com frio ou calor. Queria dormir mas parecia não conseguir. Pelo meio dava uns puns [e deixa a pessoa desconfiada entre rabugice e/ou cólicas].
Diz o pai, aflito: Opah, só tenho medo que tenha alguma dor de barriga.
Eu: E então? Nunca tiveste uma dor de barriga? [Claro que custa vê-la chorar mas faz parte. Os bebés choram porque ainda não aprenderam a falar, não podemos ficar aflitos].
Pai: Oh mas se calhar temos de ir com ela ao hospital.
PAROU TUDO!
Eu, meio incrédula meia a rir: Exato! Chegamos lá com uma bebé de 1 mês a chorar e dizemos o quê? Olhe, veja lá que eu acho que lhe dói a barriga?!

Claro que não fomos e depois o pai apercebeu-se que, por mais que nos custe ouvir a Caetana chorar, é preciso manter a calma e ir tentando perceber o que se passa com ela. Não podemos entrar em pânico e correr para o hospital.
Óbvio que prefiro um pai galinha que quer ir logo para o hospital do que um pai desinteressado que aumenta o volume da televisão para não ser incomodado pelo choro dos filhos. Mas este pai vai dar problemas..
Os dentes da Caetana vão nascer antes de começar a falar [para não falar de viroses e 'ites' que espero que não apareçam tão cedo e já são mais complicadas] e vai 'sofrer' e chorar [muito] por causa disso. O que vai fazer o pai? Correr para o hospital todos os dias? 😋

O melhor pai galinha ❤️


quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Sling - o que é e para que serve?

O que é um Sling?
Quando falo de Sling nem toda a gente sabe a que me refiro. Se, por outro lado, eu disser "aqueles panos para trazer os bebés junto ao peito ou nas costas" já toda a gente sabe de que falo.
No fundo, Sling é a versão moderna das tiras de couro utilizadas por outras culturas, como as indígenas e as africanas por exemplo.
Quais as vantagens?
Está provado que nos primeiros 3 meses de vida, um recém-nascido quer pouco mais do que andar ao colo, ser abraçado e sentir-se aconchegadinho como sentia no útero materno.
Andar ao colo não "estraga" o bebé, pelo contrário transmite-lhe segurança e confiança! Mais tarde teremos de lhe dar educação e estabelecer limites, não nos primeiros 6 meses de vida [o tema "Colo" será um outro artigo].
Hoje falamos sobre slings que, como já deu para perceber, são uma enorme ajuda no momento de dar colo sem cansar demasiado os braços e, principalmente, mantendo o bebé bem junto ao peito, ao som do nosso coração, como esteve durante 9 meses dentro do nosso útero.
Apesar de a finalidade ser a mesma, existem vários tipos de sling:

Wrap Sling - pano com cerca de 5 metros que envolve a mãe e o bebé. Parece uma camisola que veste os dois juntos.
Adoro! Até agora só saí de casa com o Sling uma vez [hoje] e foi com este, além de ser o que mais utilizo dentro de casa.
Só tem um problema: acho que ainda está demasiado calor para o utilizar. Ficamos ambas cheias de calor.

Sling
Baby C - 6 dias

Sling
Baby C - 6 dias

Sling
Baby C - 6 dias

Sling
Baby C 1 mês - 1ª saída de sling

Ring Sling - Tal como o nome indica é um pano com 2 argolas numa das pontas. Dizem que é mais prático que o anterior. Acredito que sim mas a este ainda não lhe apanhei o jeito.
Ainda não consigo largar a Caetana, preciso sempre de a apoiar.

Sling
Baby C - 1 mês

Mei Tai-
Não tenho. É uma mistura entre Wrap Sling e Marsúpio.


Sling
Retirado do google


Pouch Sling
- Não tenho. Pelo que sei trata-se de uma simples faixa para apoiar o bebé. Dizem ser a mais prática de todas porque não tem de se "vestir" nem adaptar. No entanto tem de ser fabricado à medida de quem o vai usar.

Sling
Retirado do google

Bag Sling - Descobri ontem que é perigosíssimo e proibido em alguns países. Realmente só me serve de apoio, não sinto a Caetana segura. No entanto, como também ainda não me ajeitei com o de argolas, pensei que o problema fosse meu de ainda não estar habituada.
Afinal o problema é mesmo deste tipo de slings. O bebé fica demasiado curvado e sem grandes apoios.
Se não tivermos cuidado, fica também com pouco ar
e já vão perceber porquê..
Talvez o continue a utilizar como apoio, mas já sei que nunca posso largar a bebé!

Sling
Baby C - 1 mês

Sling
Estão a perceber quão tapada está a bebé?

Já agora mostro-vos como estou a acabar este artigo, uma vez que tem tudo a ver com o tema:
Sling

Sling

Ignorem a desarrumação ao lado mas estava toda uma "tenda" montada para a Caetana dormir enquanto eu escrevia:
  • ninho redutor e almofada de amamentação para se sentir ainda mais segura;
  • mantinha normal e outra mais quentinha;
  • fralda de pano para prevenir "acidentes".
Entretanto chegou o Hugo. Íamos lanchar quando quando a Caetana acordou. Meti-a no Sling para nos fazer companhia mas ela preferiu adormecer outra vez e assim continua enquanto acabo de escrever.

Aproveito para vos contar o que me aconteceu hoje. Na saída que fiz com o Wrap Sling encontrei apenas uma pessoa que passava de carro. Parou para me dar um recado e, para iniciar a conversa fez a típica pergunta do "então, a dar uma voltinha?" Eu respondi que tinha saído por causa do cão e a pessoa deu-me o recado que tinha para dar.
De repente olhou melhor para mim [estava bastante sol] e fez um sorriso de quem queria aguentar mas não conseguiu. E porquê? Só nesse momento o homem percebeu que eu levava a Caetana ao peito, a dormir. Acho que fiz figura de louca, não tenho bem a certeza. Mas vou continuar a sair com a minha pequena assim sempre que me apetecer!
Sei que vai melhor do que no ovo, só não vai é tão tapada do sol e do vento..
E o ovo acaba por ser mais prático, pelo menos enquanto eu não estiver 100% à vontade com os slings.

E por aí, usam Slings? Com que modelo se ajeitam melhor?